Coaching e Maternidade

Ser mãe sempre foi um grande sonho da minha vida e, hoje, tenho 2 filhas. Acredito que muitas mulheres também tenham o mesmo sonho, mas confesso que atualmente a maternidade tem sido um verdadeiro desafio. Não quero dizer que tenha sido fácil ser mãe no passado, mas é que hoje a mulher pode e quer […]

Ser mãe sempre foi um grande sonho da minha vida e, hoje, tenho 2 filhas. Acredito que muitas mulheres também tenham o mesmo sonho, mas confesso que atualmente a maternidade tem sido um verdadeiro desafio. Não quero dizer que tenha sido fácil ser mãe no passado, mas é que hoje a mulher pode e quer ser uma ótima mãe, amante, esposa, filha e profissional.

Os vários desejos da mulher moderna a sobrecarregam e geram uma série de conflitos, preocupações e muito stress no dia-a-dia. É comum que muitas mães se sintam culpadas por ter pouco tempo perto de seus filhos em razão das demandas de seu trabalho e da vida doméstica. Muitas vezes, deixando de impor limites aos filhos para não estragar os poucos momentos que estão juntos ou porquê estão esgotadas.  Portanto, pergunto: Quanto tempo é necessário ficar por dia com o meu filho para que eu me considere uma “boa” mãe sem me sentir culpada por estar longe dele trabalhando?

Acredito que a mulher precisa rever o papel da maternidade neste século. Deve tentar deixar de lado a culpa por não estar junto com seus filhos em tempo integral e tentar aprender da melhor forma possível como pode conciliar o trabalho, a vida doméstica, o casamento e a maternidade. Em relação ao trabalho vejo-o que pode ser um fator positivo também tanto na vida da mãe quanto no relacionamento com seus filhos. Vejamos:

a) Quais são os pontos positivos para a mãe ter pouco tempo junto com os seus filhos?

1) Curtir realmente o tempo juntos: A mãe aproveitará ao máximo o tempo que poderá ter junto com seus filhos. Eles, por sua vez, também dedicarão mais atenção a ela. Portanto, tanto mãe quanto filho não desperdiçarão nenhum segundo do momento em conjunto. Para ambos, a qualidade do tempo será mais importante do que a quantidade de tempo.

2) Incentivar a autonomia e independência: O filho, diante da falta da mãe, terá que aprender a resolver alguns problemas sozinho e, se isso for bem dirigido pela mãe de longe, poderá ser um fator que a ajudará na formação de um filho mais independente e seguro para tomar decisões sobre a vida dele.

Nessa situação, é preciso também rever a organização da rotina da vida doméstica. Tudo que facilitar a vida de uma mãe que trabalha deve ser feito, pois rotina organizada significa mais tempo para curtir com os filhotinhos. Vale lembrar que isso só acontecerá se a mãe conseguir estar bem resolvida quanto aos seus inevitáveis sentimentos de culpa por estar longe dos filhos e não poder estar presente em todos os deliciosos momentos de pequenas conquistas de seus filhotes.

Em resumo, a mulher atual que deseja ter filhos e conciliar com uma carreira pode e deve rever o papel da maternidade para conseguir ser uma mãe menos estressada, culpada e insatifeita, etc. O coaching ou a terapia, dependendo da situação de stress da mãe, podem ser opções que ensinam e treinam as mulheres a gerenciar o seu stress do cotidiano efetivamente. Ambos focam em várias técnicas de gestão de stress, administração de tempo, gestão familiar, etc para que as mães saibam como agir no cotidiano e consigam conciliar os vários papéis que querem exercer e se tornar uma mulher mais satisfeita e feliz seja em casa, no trabalho, no casamento e no dia-a-dia com os filhos.

Viviane Sampaio. Psicóloga e Coach. Consultório na Vila Mariana em São Paulo. Whatsapp/Tel.: (11) 9-9808-3718, e-mail: vs@vivianesampaio.com.br Site www.vivianesampaio.com.br

 

topo

© 2011 – 2017. Todos os direitos reservados - contato@vivianesampaio.com.br

design: thaisvilanova